Policarbonato

O Policarbonato Compacto é muito semelhante ao vidro temperado/laminado, porém com uma combinação de propriedades que o tornam muito mais resistente.

CARACTERÍSTICAS

Resistência ao impacto: 250 vezes mais resistente que o vidro e 30 a 40 vezes mais resistente que o acrílico.

Resistência a temperatura: de -15ºC até 120ºC em temperaturas contínuas.

Curvatura a frio: raio de curvatura mínimo de 100 vezes a espessura da chapa.

Peso: 50% mais leve que o vidro.

Proteção anti-UV: Nas espessuras de 1,0 e 1,5mm poderá ser com proteção em um dos lados ou sem proteção, em espessuras superiores poderá ter proteção em um lado, em ambos os lados ou sem proteção.

Não propaga chamas: auto-extinguível.

Garantia: 10 anos contra amarelecimento.

PRINCIPAIS APLICAÇÕES

  • Proteção de Cabines
  • Proteção de Máquinas
  • Blindagem de Veículos e Ambientes
  • Coletores Solares
  • Viseiras
  • Sinalizadores Viários
  • Fachadas e Luminosos
  • Janelas e Divisórias
  • Escudos de Proteção
  • Painéis de Instrumentos
  • Lanternas e Faróis
  • Capacetes
  • Recipientes para fornos de microondas
  • Artigos Esportivos
  • Artigos Médicos
  • Painéis e outras peças de veículos
  • Coberturas curvas ou planas onde se deseja máxima segurança com transmissão de luz natural.
  • Equipamentos e Eletrodomésticos
  • Projetos Residenciais, Comerciais e Públicos

ESPESSURAS E PESO

Espessura (mm) Peso PC (Kg/m2) Peso Vidro (Kg/m2)
2 2,4 4,8
3 3,6 7,2
4 4,8 9,6
5 6,0 12,0
6 7,2 14,4
8 9,6 19,2
10 12,0 24,0

 

CORES

  • Azul
  • Verde
  • Bronze
  • Fumê
  • Branco
  • Cristal

TRANSMISSÃO DA LUZ

TRANSMISSÃO DA LUZ Cores Standard          
Valores  Aproximados >/= 85% de 75 a 85% de 65 a 75% de 30 a 40% de 20 a 30% >/= 10%

* valores aproximados.

RESISTÊNCIA AO IMPACTO

O policarbonato é o termoplástico de maior resistência ao impacto. É cerca de 250 vezes mais resistente que o vidro e 30 vezes mais que o acrílico. No caso de chapas, a resistência ao impacto por queda de dardo (ou bola) é a que melhor representa esta propriedade. Neste teste, um dardo de 5lb e diâmetro de 25mm, foi deixado cair sobre chapas de vários materiais com 6mm de espessura, os resultados estão expressos em libras.pé, que é a quantidade de energia potencial absorvida pelo material. 

COMPORTAMENTO TÉRMICO

A temperatura de amolecimento VICAT do policarbonato é de 150ºC, isto permite seu uso em temperaturas contínuas de até 120ºC (o policarbonato não resiste a essa temperatura se o uso constante a essa temperatura for na presença de água (como esterilização a vapor). É um dos termoplásticos de maior resistência térmica. A temperatura de amolecimento VICAT, é a temperatura quando uma agulha de aço de 1 mm de área de seção transversal, penetra 1 mm em um corpo de prova sob uma determinada carga.

0 coeficiente de expansão térmica do policarbonato é maior quando comparado a outros materiais usados para construção. A tabela abaixo mostra alguns resultados comparativos. A expansão térmica é a propriedade que mede o volume adicional necessário para acomodar os átomos e moléculas, por estarem vibrando mais rápido e com maior amplitude devido ao aquecimento, e pode ser expresso em mm/cm. ºC. 

MATERIAL C.E.T.
Vidro 0,000080
Aço 0,000101
Alumínio 0,000206
Policarbonato 0,000600
Acrílico 0,000656

 

A partir destes valores, é possível estabelecer as mudanças dimensionais em função da variação de temperatura para o policarbonato.

A condutividade térmica do policarbonato é menor que a do vidro, isto significa que o policarbonato é pior condutor de calor que o vidro. (como em construção civil, normalmente é desejada uma menor condutividade, eu escreveria a frase trocando “pior condutor” por “melhor isolante”: “A condutividade térmica do PC é menor que a do vidro, isto significa que o PC é melhor isolante térmico do que o vidro”). A condutividade térmica mede a quantidade de calor transferido na unidade de tempo, por unidade de área, através de uma camada de espessura unitária. Uma medida indireta da condutividade térmica, é a perda de calor entre ambientes.

CÓDIGO DESCRIÇÃO
1.482 POLICARBONATO COMPACTO  AZUL 3.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.483 POLICARBONATO COMPACTO  AZUL 4.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.484 POLICARBONATO COMPACTO  AZUL 5.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.485 POLICARBONATO COMPACTO  AZUL 6.00 X  2.050 X  3.000 MM
6.219 POLICARBONATO COMPACTO  BRANCA 2.00 X  2.050 X  3.000 MM
8.712 POLICARBONATO COMPACTO  BRANCA 2.00 X  2.050 X  6.000 MM
11.837 POLICARBONATO COMPACTO  BRANCA 2.00 X  2.050 X  6.100 MM
1.486 POLICARBONATO COMPACTO  BRANCA 3.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.487 POLICARBONATO COMPACTO  BRANCA 4.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.488 POLICARBONATO COMPACTO  BRANCA 5.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.489 POLICARBONATO COMPACTO  BRANCA 6.00 X  2.050 X  3.000 MM
15.138 POLICARBONATO COMPACTO BRANCA 2.00 X 2.050 X 5.100 MM
1.490 POLICARBONATO COMPACTO  BRONZE 3.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.491 POLICARBONATO COMPACTO  BRONZE 4.00 X  2.050 X  3.000 MM
12.483 POLICARBONATO COMPACTO  BRONZE 4.00 X  2.050 X  6.000 MM
1.492 POLICARBONATO COMPACTO  BRONZE 5.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.493 POLICARBONATO COMPACTO  BRONZE 6.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.533 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL  10.00 X  1.000 X  2.050 MM
1.535 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL  10.00 X  1.020 X  3.000 MM
1.534 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL  10.00 X  1.220 X  2.440 MM
1.536 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL  10.00 X  1.220 X  3.050 MM
1.537 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL  10.00 X  2.050 X  3.000 MM
11.396 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL  12.00 X  1.220 X  2.440 MM
11.397 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL  12.00 X  1.220 X  3.050 MM
1.495 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 0.80 X1.220 X  2.440 MM  - ( S/ UV )
1.563 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 1.00 X  1.220 X  2.440 MM  - ( S/ UV )
1.567 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 1.50 X  1.220 X  2.440 MM  - ( S/ UV )
1.569 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 1.50 X  1.220 X  3.050 MM  - ( S/ UV )
1.571 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 2.00 X  1.000 X  2.050 MM
1.575 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 2.00 X  1.020 X  3.000 MM
1.573 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 2.00 X  1.220 X  2.440 MM
1.576 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 2.00 X  1.220 X  3.050 MM
11.698 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 2.00 X  1.220 X  6.000 MM
1.577 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 2.00 X  2.050 X  3.000 MM
5.050 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 3.00 X  1.000 X  2.050 MM
1.584 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 3.00 X  1.020 X  3.000 MM
1.581 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 3.00 X  1.220 X  2.440 MM
1.586 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 3.00 X  1.220 X  3.050 MM
5.892 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 3.00 X  1.220 X  6.000 MM
1.589 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 3.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.591 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 3.00 X  2.050 X  6.000 MM
1.593 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 4.00 X  1.000 X  2.050 MM
1.596 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 4.00 X  1.020 X  3.000 MM
1.595 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 4.00 X  1.220 X  2.440 MM
1.598 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 4.00 X  1.220 X  3.050 MM
5.893 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 4.00 X  1.220 X  6.000 MM
1.600 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 4.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.602 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 4.00 X  2.050 X  6.000 MM
1.604 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 5.00 X  1.000 X  2.050 MM
1.613 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 5.00 X  1.020 X  3.000 MM
1.610 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 5.00 X  1.220 X  2.440 MM
1.519 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 5.00 X  1.220 X  3.050 MM
5.894 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 5.00 X  1.220 X  6.000 MM
1.520 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 5.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.521 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 5.00 X  2.050 X  6.000 MM
1.522 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 6.00 X  1.000 X  2.050 MM
1.524 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 6.00 X  1.020 X  3.000 MM
1.523 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 6.00 X  1.220 X  2.440 MM
1.525 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 6.00 X  1.220 X  3.050 MM
5.889 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 6.00 X  1.220 X  6.000 MM
1.526 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 6.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.527 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 6.00 X  2.050 X  6.000 MM
1.528 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 8.00 X  1.000 X  2.050 MM
1.530 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 8.00 X  1.020 X  3.000 MM
1.529 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 8.00 X  1.220 X  2.440 MM
1.531 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 8.00 X  1.220 X  3.050 MM
1.532 POLICARBONATO COMPACTO  CRISTAL 8.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.545 POLICARBONATO COMPACTO  FUME 3.00 X  2.050 X  3.000 MM
12.471 POLICARBONATO COMPACTO  FUME 3.00 X  2.050 X  6.000 MM
1.546 POLICARBONATO COMPACTO  FUME 4.00 X  2.050 X  3.000 MM
11.779 POLICARBONATO COMPACTO  FUME 4.00 X  2.050 X  6.000 MM
1.547 POLICARBONATO COMPACTO  FUME 5.00 X  2.050 X  3.000 MM
11.780 POLICARBONATO COMPACTO  FUME 5.00 X  2.050 X  6.000 MM
1.548 POLICARBONATO COMPACTO  FUME 6.00 X  2.050 X  3.000 MM
11.781 POLICARBONATO COMPACTO  FUME 6.00 X  2.050 X  6.000 MM
5.818 POLICARBONATO COMPACTO  PRETA 8.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.549 POLICARBONATO COMPACTO  VERDE 3.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.550 POLICARBONATO COMPACTO  VERDE 4.00 X  2.050 X  3.000 MM
1.551 POLICARBONATO COMPACTO  VERDE 5.00 X  2.050 X  3.000 MM
11.783 POLICARBONATO COMPACTO  VERDE 5.00 X  2.050 X  6.000 MM
1.552 POLICARBONATO COMPACTO  VERDE 6.00 X  2.050 X  3.000 MM
11.782 POLICARBONATO COMPACTO  VERDE 6.00 X  2.050 X  6.000 MM

 

USINAGEM

As Chapas podem ser cortadas e furadas. Recomendamos serras circulares e brocas fabricadas em aço carbono.

Para as operações de corte e furação, as chapas devem estar bem fixadas em bancadas de trabalho, para que se evitem riscos.

É importante que ao final da operação de corte as extremidades das chapas sejam levemente arredondadas, evitando o acúmulo de tensões residuais.

Ângulo de Ataque 20º - 30º
Ângulo de dente 15º
Veloc. da serra 1000-3000m/min
Espaço entre os dentes 2 - 5mm

 

MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DAS CHAPAS

  • Limpar as chapas a cada mês, no mínimo. Levando-se em conta as condições ambientais do local e a aplicação, adequar a periodicidade de limpeza de acordo com as necessidades.
  • Se a limpeza é feita regularmente, somente água corrente já é suficiente.
  • Não usar produtos químicos, alvejantes ou produtos de limpeza para uso doméstico.
  • Se a sujeira acumulada for muita, aplicar sabão neutro e usar pano macio ou escova de cerdas macias.
  • Lavar com água corrente em abundância.
  • Utilizar sabão neutro - quando e se necessário.
  • Para limpezas mais pesadas, usar álcool isopropílico com o auxílio de pano macio.
  • As chapas sem proteção anti-risco são sensíveis a abrasão, lembre-se disso na hora de limpa-las.
  • Tenha certeza de enxaguar abundantemente as chapas, resíduos de sabão ou de álcool podem mancha-las.
  • Procure limpar suas chapas no ínicio da manhã ou final de tarde, com o sol mais fraco ou à sombra.

TRANSMISSÃO E HAZE

Espessura (mm) % Transmissão de Luminosidade % Haze
3 87,3 0,6
4 87,6 0,8
6 84,2 0,6
8 82,3 1,3

 

EMISSÃO TOTAL

Espessura (mm) Cor Reflexão Infra-vermelha Medida Emissão Semi-normal Calculada Emissão Hemisférica Calculada
4 Cristal 0,06 0,94 0,89
2 Branco 0,06 0,94 0,89
4 Bronze 0,06 0,94 0,89
4 Fumê 0,06 0,94 0,89

 

TRANSMISSÃO DO SOM

Espessura (mm)

STC Racing
PC

STC RACING
Vidro

3 25 23
4 29 -
6 31 27
8 34 -

 

COEFICIENTE DE SOMBREAMENTO

Espessura (mm)

Cor

U-Value Inverno (btu/hr-ft2F)

U-Value Verão (btu/hr-ft2F)

% Energia Solar Rejeitada

Ganho Relativo de Calor (Btu/hr-ft2-F)

Coeficiente de Sombreamento

4 Cristal 1,01 0,96 18 203 0,95
2 Branco 1,08 1,04 45 142 0,64
4 Bronze 1,02 1,05 51 128 0,57
4 Fumê 1,01 1,06 59 109 0,47

 

TOLERÂNCIAS

Características

Valor

Unidade

Tolerância na largura - 0 a +3 mm/m
Tolerância nas espessuras de 0,8 a 1,0mm +/- 10 %
Tolerância nas espessuras de 2 a 12 mm +/- 5 %
Tolerância no comprimento -0 a +3 mm/m
Tolerância na retangularidade* 3 máx mm/m

OBS:. Diferença entre as medidas das diagonais.

DIMENSÕES x ESPESSURA X PESO

DIMENSÕES       ESPESSURAS
  0,8 1,0 1,5 1,8 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 8,0 10,0 12,00
CORRUGADA - - - - - - - - - - - -
1260 x 5800 8,14 - - - - - - - - - - -
INDUSTRIAL GRECA - - - - - - - - - - - -
1118 x 5.800 7,49 - - - - - - - - - - -
INDUSTRIAL SINUS - - - - - - - - - - - -
1097 x 5800 7,36 - - - - - - - - - - -
PLANA - - - - - - - - - - - -
1000 x 2050 - - 4,92 - - 7,38 9,84 12,30 14,76 1,68 24,60 -
1025 x 3000 - - - - 7,38 11,07 14,76 18,45 22,14 29,52 36,90 -
1220 x 2440 - - - - 7,14 10,72 14,29 17,86 21,43 28,58 35,72 42,87
1220 x 3050 - - 6,70 - 8,93 13,40 7,86 22,33 26,79 35,72 44,65 53,58
1220 x 6000 - - - - 17,57 26,35 35,14 43,92 52,70 - - -
1650 x 2440 - 4,83 - - - - -          
2050 x 3000 - - - - - 22,14 29,52 36,90 44,28 59,04 73,80 -
2050 x 6000 - - - - 29,52 44,28 59,04 73,80 88,56 - - -
2050 x 6100 - - - - 30,01 - - - - - - -

 

PROPRIEDADES

Propriedades Unidade Método ASTM Valores Típicos
FÍSICAS      
Densidade g/cm³ D-792 1,2
Absorção de água (por 24 horas a 23ºC) % D-570 0,23
ÓPTICAS      
Transmitância % D-1003 89
Índice de Refração - D-542 1.586
MECÂNICAS      
Resistência à Tração (na ruptura)

MPa
(kgf/cm²)

D-638 78
(800)
Resistência à tração (no escoamento) MPa
(kgf/cm²)
D-638 73
(750)
Módulo de tração MPa
(kgf/cm²)
D-638 2300
(23500)
Alongamento (na ruptura) % D-638 110
Resistência à Flexão  MPa
(kgf/cm²)
D-790 95
(970)
Módulo de flexão MPa
(kgf/cm²)
D-790 2350
(24000)
Resistência a impacto IZOD J/m
(kg.cm/cm)
D-638 880
(90)
Dureza Rockwell - D-785 R 120
M75
TÉRMICAS      
Coef. Linear de Dilatação Térmica (25ºC) 10-5/ºC D-696 6,5
Coef. de Condutibilidade Térmica   mW/cmºK C-177 2,1
Ponto Vicat (amolecimento) ºC D-1525 140
H.D.T. (66 PSI) ºC D-648 135
Temp. Máxima de trabalho recomendado ºC - 120
Temp. Mínima de trabalho recomendado ºC - -10
Temperatura de Termoformagem ºC - 175-205*
ELÉTRICAS      
Resistência Dielétrica (1,6mm de espessura) kV/mm D-149 29
Resistividade Volumétrica   ohm.cm D-257 > 10-16
Constante Dielétrica 60 Hz
Const. Dielétrica 106 Hz
- D-150 2,91
2,85
Fator de dissipação 60 HZ
Fator Dielétrica 106 Hz
- D-150 6,6 x 10-4
9,2 x 10-3
Resistência ao Arco seg D-495 100~120
FLAMABILIDADE      
Tempo de Queima seg D-635 65
Extensão do Dano mm D-635 20
Flamabilidade (1,5mm) - UL94 HB

 

IMPORTANTE

Valores típicos. Não devem ser usados com intenção de especificação. As normas acima citadas devem ser usadas como referência literária sobre a metodologia analítica interna utilizada (consulte sobre a metodologia analítica interna utilizada). Corpos de prova injetados sob condições ideais de processamento. As propriedades listadas podem ser afetadas pela quantidade e tipo de pigmentos.

* Para chapas com espessuras >- 2mm. Para mais informações consulte o manual de termoformagem.

Consulte nosso departamento técnico sobre necessidades de conformidade e homologação em normas nacionais e internacionais.

RESISTÊNCIA QUÍMICA E CARACTERÍSTICAS DO POLICARBONATO

CLASSE QUÍMICA EFEITOS
Ácidos Não provocam danos em temperatura ambiente e baixas concentrações.
Álcoois Etanol, isopropílico e etílico não provocam danos. O álcool metanol provoca danos no policarbonato.
Álcalis Não provocam efeitos em temperatura ambiente e baixas concentrações. Concentrações e temperatura elevadas atacam o policarbonato.
Hidrocarbonetos Alifáticos   Não provocam danos ao policarbonato.
Aminas Evite. Atacam quimicamente o policarbonato.
Hidrocarbonetos Aromáticos Evite. São solventes que causam severos danos químicos ao policarbonato.
Detergentes   Soluções de sabão neutro não provocam danos, porém detergentes altamente alcalinos devem ser evitados.
Ésteres Evite. São solventes que causam severos danos químicos ao policarbonato.
Graxas e Óleos Evite. Muitos aditivos usados nestes materiais causam severos danos químicos ao policarbonato.
Hidrocarbonetos Halogenados Em temperatura máxima de 85ºC não provocam danos. Porém a composição química destes produtos tem como base hidrocarbonetos aromáticos devendo ser evitados.

 

Considerar que o tempo de exposição a estes agentes deve ser mínimo possível.

OBS:. O policarbonato resiste aos agentes químicos, sendo importante observar que alguns agentes podem causar danos quando em contato com as chapas por longo período de tempo.

TERMOFORMAGEM

As técnicas comuns de termoformagem podem ser utilizadas para conformar as chapas Compactas, no estado termo-elástico, em peças como escudos, difusores de luminárias, sinalizadores, visores, bandejas, etc... 

De forma a se obter os melhores resultados finais, os seguintes pontos devem ser observados:

A chapa deve ser pré-seca e limpa; 

Moldes adequadamente desenhados devem ser usados; 

A formagem deve ser efetuada na temperatura de processo correta. 

PRÉ-SECAGEM

Apesar do baixo índice de absorção de água, o qual contribui para a boa estabilidade dimensional das chapas, a total pré-secagem de todo o estoque de chapas é essencial em todas as técnicas de termoformagem onde a temperatura na chapa é superior a 160°C. Falhas neste processo provavelmente resultarão em manchas de umidade, inutilizando o produto final. 

O procedimento recomendado envolve o uso de uma estufa de ar circulante a 120°C - 125°C no qual as chapas devem ser mantidas por um período que é função da sua espessura. (Ver tabela) 

TEMPO DE SECAGEM x ESPESSURA DA CHAPA

Espessura da Chapa (mm) 2 3 4 5 6
Tempo de Secagem a 120°C-125°C (h) 4 7 12 26 45

OBS:. Não é recomendável a termoformagem em chapas com espessura inferior à 2mm.

Após a remoção do filme de proteção as chapas devem ser suspensas, postas em pé ou deitadas apoiadas em trilhos laterais dentro do forno, assegurando-se que a distância entre elas seja de 20-30mm para que o ar possa circular livremente.

Chapas pré-secas devem, se possível, ser deixadas no forno até imediatamente antes da formagem economizando energia e tempo de aquecimento na máquina de termoformagem. Chapas totalmente secas tiradas do forno e resfriadas a temperatura ambiente podem ser utilizadas dentro de um período de 1 hora a no máximo 10 horas (dependendo da umidade relativa e temperatura na sala de trabalho) sem haver a necessidade de secá-las novamente.

PREPARAÇÃO DO BLANK

Quando da preparação de um blank para um artigo termoformado com chapas, deve-se ter em mente que a chapa encolhe quando aquecida pela primeira vez a temperatura superior a de transição vítrea - 140ºC. Pode ser esperado um encolhimento máximo de 6% para chapas de até 3mm e um máximo de 3% para chapas acima de 3mm. Antes de serem cortadas grandes quantidades, um teste com uma amostra é recomendado para que se determine o valor correto de acréscimo dimensional a ser dado.

Antes de iniciar-se o aquecimento e a operação de termoformagem a chapa deve ser limpa com um agente antiestático ou pistola de ar ionizado. Isto é requerido para evitar marcas ou adesão de partículas de sujeira no produto final.

MOLDES - MATERIAIS

Para produções de longo termo e/ou quando qualidade ótica é requerida, ferramentas pré-aquecidas (100-130ºC) de alumínio ou aço devem ser utilizadas; quanto mais alta a temperatura do molde, melhor a aparência da peça final. 

Para protótipos ou produções limitadas, podem ser utilizadas ferramentas feitas de gesso, madeiras duras, epoxi reforçado ou resinas de poliéster. 

MOLDES - DESIGN

A fácil liberação da peça do molde se consegue quando é dado um ângulo de saída no molde de 4-6°; 

Para as dimensões do molde, um encolhimento de 0,5-1% deve ser considerado; 

Canais de ventilação bem localizados e em número adequado devem existir de forma a evitar marcas no produto final; estes canais não devem ter diâmetros superiores a 0,5-0,8mm. Furações posteriores com diâmetros maiores são sugeridas para acelerar a evacuação do ar; 

Moldes duplos ou com partes deslizantes devem ser utilizados para possibilitar a liberação das rebarbas de corte; 

Como em ferramentas para injeção, canais de condicionamento de temperatura devem existir na ferramenta de formagem para permitir o estabelecimento de temperaturas ótimas de moldagem; 

Raios de pelo menos a espessura da chapa devem ser observados, para evitar o estrangulamento e a formação de linhas durante a formagem. 

AQUECIMENTO

Para garantir a perfeita termoformagem, as chapas devem ser uniformemente aquecidas a uma temperatura de 175-205°C. Na temperatura máxima as chapas assumem detalhes com mais precisão, entretanto em temperaturas de 175-180°C poucos detalhes serão obtidos. 

O uso de sistemas separados de aquecimento (fora da máquina de termoformagem) normalmente utilizado com outros termoplásticos, não é recomendado para as chapas uma vez que as temperaturas de processamento são relativamente altas e as chapas esfriam com rapidez.

Geralmente se leva tanto tempo para tirar a chapa do forno e colocá-la na máquina de formagem que ela já esfriou a certo ponto que torna a formagem adequada muito difícil. Portanto, a máquina de formagem deve ser equipada com seu próprio sistema de aquecimento. Sistema tipo "sanduíche" infravermelho, que alcança temperaturas altas relativamente rápido, é preferível a um sistema simples, pois permite um aquecimento mais uniforme e rápido resultando em ciclos mais curtos e, consequentemente, mais econômicos. O tempo necessário para o reaquecimento aumenta com o aumento da espessura da chapa e deve ser determinado em testes efetuados in-loco. 

Quando a peça a ser moldada tiver dimensões muito grandes os problemas relativos podem ser remediados da seguinte forma:

Aumentar a temperatura próxima as bordas da chapa, as quais necessitam de mais tempo para alcançar a temperatura adequada da formagem;

Montar uma tela metálica de aproximadamente 2/3 da dimensão da chapa, nos aquecedores de forma a auxiliar na redução da temperatura na região mais crítica. 

É também recomendado o aquecimento das bordas e do sistema de suporte e travamento das chapas de forma a evitar a perda de calor durante o aquecimento além de resfriamento desuniforme o que resultaria em tensões internas ou rachamentos laterais. Peças sem tensões internas e rachamentos laterais são obtidas quando as bordas presas da chapa podem ser cortadas após a formagem. 

As chapas resfriam rapidamente, e consequentemente necessitam de uma formagem rápida. Ao mesmo tempo, entretanto, seu alto valor de Temperatura de Deflexão sob Carregamento proporciona ciclos de resfriamento curtos. As peças podem ser retiradas do molde, sem risco de deformação, assim que a temperatura baixar 135°C. 

Nota: Ocasionalmente, chapas finas (2mm) que foram mantidas adequadamente secas durante a estocagem podem ser termoformadas sem a necessidade da pré-secagem. Entretanto, o formato da peça deve ser simples, livre de bordas pontiagudas e a formagem deve ser feita no trecho final do intervalo de temperatura de formagem(175- 180°C).

A termoformagem não é indicada para chapas com e inferiores a 2mm em função de possuirem tensões residuais geradas no processo fabril.

DESTENSIONAMENTO

Sempre que possível, as condições ideais de processamento devem ser utilizadas de forma a minimizar o surgimento de tensões internas e a conseqüente necessidade de destensionamento. 

Peças com tensões internas muito altas devem ser destensionadas para evitar falhas em serviço. Isso pode ser feito aquecendo-se as peças uniformemente em um forno de ar circulante em até 120-130°C por um período de 1 hora para cada 3mm de espessura da peça, em seguida a mesma deve ser resfriada lentamente a temperatura ambiente. 

Todos os Dados Técnicos